segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Diário da indiferença

Hoje o frio venceu e o exagero, um velho amigo, recuou. Mas não vai fazer drama. Não vai chorar assim, ainda tão longe de casa. É que às vezes... a biologia feminina conspira, o tempo fecha e todo mundo esquece junto que, além do cinismo, é só sensível. A prática em ignorar a família e os idealismos românticos inspiram uma força moderna, pró-praticidades. A altura, a preferência por cores neutras e comportamentos modestos, também. Só que as vezes, é inevitável quebrar a cara. As vezes sente frio e falta. As vezes quer só pra ela esse monte de sorriso que vê na vitrine. Mas hoje é sem exagero. É até sem verdade. Perder amores imensos a ensinou uma coisa: mesmo que seja mentirosa, a indiferença é sempre uma boa aliada. E o erro foi dela. Os últimos tem sido... Então é só respirar, pensar numas ironias pra dizer. É só fechar os olhos e tentar salvar as coisas boas. É só assumir a culpa, se comportar, se domar. É só...

Um comentário: