sábado, 15 de dezembro de 2012

When the lights go out


O sol azulado de julho ignorou as cortinas, marcando violentamente seus olhos semi-cerrados às 9 da manhã. Lá fora a cidade respirava, pulsava e rugia típica do horário – era São Paulo, em todo o seu caos sul-americano.

Não cedeu ao sol, fechou mais os olhos, reflexivamente. Até que sua consciência começou a submergir. Dormiu mal, e pouco, lhe explicava a cabeça latejante.

Hoje seria o pior dia de sua vida, e disso ela já sabia antes mesmo de espalhar os braços para o lado, procurando em vão o corpo quente que mais cedo esteve tão junto do seu.

Por menos de um instaste se permitiu pensar na possibilidade de ele estar no banheiro, no terraço… mas nem com os olhos buscou. Ele tinha deixado o quarto já há muito tempo, mas ela sabia – há anos ela sabia. Ele deixaria o quarto a noite, viajaria para longe de novo… e pronto.

Um banho veloz, quente e entorpecente  Enquanto a água caia, ela mal piscava, ou pensava. Deixou-se vagar entre o sono e a estupefação. Já não sabia mais como dar vazão àquele tipo ridículo de sentimento.

Jeans e uma camiseta escura, antiga, de mangas longas em formato de sino. Sapatos simples e escuros, sem salto ou beleza. O cabelo preso em um rabo-de-cavalo alto, deu destaque as sobrancelhas agressivas. Olhos riscados sutilmente de preto e os cílios alongados daquela forma felina. No pescoço espalhou colônia. Nos lábios, vermelho. Valium, dois comprimidos. Uma lâmina com as iniciais do hotel, ao alcance dos dedos. Abraçou-se a um instinto. Deixou vir a tona tudo o que de fato sentia – e isso percorreu seus braços, suas pernas, girou seu estômago, eriçou sua pele, rompeu em seus olhos. Respirou com leveza, evitando ouvir o próprio corpo chiar, acalmando a fluência elétrica de sensações. Sentou-se de costas para a banheira de louça. Pensou na infância, sua infância bucólica. Pensou na cidade, no centro, nos prédios e árvores mais bonitas. Depois pensou neles, nos primeiros anos, nos seus olhos furtivos...

Três dias passados. Em Frankfurt, pela manhã, ele recebeu a notícia. Disparou um único tiro contra a própria cabeça quatro horas depois, vestido para a ocasião – nos trajes e também nas lembranças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário