segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Cresci um pouco todo dia de manhã

Este ano, diferente do que passou, comecei feliz e com vontade do que está por vir. Mas, a didática desta url é mesmo, assim, nublada, mórbida, com sua poesia de lamentação e de memória. Foi assim, com o texto abaixo, que eu abri os braços pra 2013. Posto hoje, dia em que abro os olhos pra 2014, buscando lembrar bem de quem eu fui e não quero mais ser. 

"Ando meio aturdida. Perdida. Fodida. Começo o ano com o pé esquerdo. Penso que logo farei meus 21 anos e, para os 30, é só um passo, e, para os 60, nem se fala. Ando meio aturdida. Atormentada. Atordoada. Ando puta com a pressa das coisas, com o preço das pessoas, com a velocidade da vida. Molho meus pés no mar, sinto a areia, o sol me queima. Demancho-me e desfaço-me. Choro, entristeço, emputeço. E parece que é sempre isso o melhor a fazer antes de dar o próximo passo. Tristeza, como a vida, também passa. E o tempo, apesar de certeiro, tem lá um pouco de graça." 

 Edição e pitacos do/no parágrafo: lady Dai Gemerias.

Um comentário: